Quarta-Cult com Rafael Oliveira

27 10 2010

O problema.

Pobre aranha, subiu tanto, e foi derrubada
espatifou-se no chão, coitada
machucou a perna, e o plano de saúde não cobriu nada
pobre aranha, prorrogou a construção da sua ninhada

Porém, 3 meses depois, após muito sofrimento
a destemida aranha sobe pela parede, confiante, focada
a ela não importa tamanho, largura ou comprimento
só quer chegar ao topo novamente, ser a mais adorada

Faltando pouco para seu maravilhoso feito
a pobre aranha é derrubada novamente
acha que cometeu o mesmo erro, acha que sabe seu maior defeito
trata logo de se curar, quer chegar ao topo, é isso que tem em mente.

E então, mais uma vez, a parede ela vai subindo
sobe com mais vontade do que nas vezes anteriores
tomando cuidado pra não errar, e continuar progredindo
quase chegando, derrubada novamente, só o que aparecem são choros, decepções e dores.

Abatida, mas ainda sim motivada a seguir em frente
apesar das dores, cicatrizes e o medo de fracassar novamente
ela tem um estalo. sorri como se houvesse visto um pássaro verde
o tempo  todo o problema não era ela, e sim, a parede.

Rafael Oliveira

twitter: @kaminart

Anúncios




Linkin Park comemora 10 anos do álbum “Hybrid Theory”

23 10 2010

Linkin Park, banda Califórniana de 1996, acumula nada mais nada menos que mais de 52 milhões de álbuns vendidos. Este álbum do Linkin Park chegou ao Brasil e dominou de forma arrebatadora os adolescentes que logo aderiram ao som pesado da banda. Com o estilo metal, chester e sua banda dominaram as paradas de sucesso com diversas músicas do álbum, a mais popular “In the end” chegou a figurar por muito tempo nos top10 da MTV, que teve um papel importante na propagação da banda pelo país inteiro.

O álbum mais querido entre os fãs.

Hybrid Theory foi lançado em 24 de outubro de 2000, é o álbum de estreia do Linkin Park, sendo o mais vendido da banda, cerca de 24 milhões de cópias pelo mundo inteiro, sendo disco de diamante nos Estados Unidos (mais ou menos 10 milhões de cópias vendidas só nos EUA). O Hybrid Theroy entrou na  lista dos 200 álbuns definitivos no Hall da fama do Rock and Roll.

Entre 1998 e 1999, este título era originalmente o nome da banda (anteriormente chamada Xero). No começo de 2000, graças a um caso de marca registrada com os produtores galeses de música eletrônica Hybrid, eles mudaram para “Linkin Park”. O vocalista Chester Bennington havia passado dirigindo perto de um parque chamado Lincoln Park (agora Christine Reed Park, em Santa Mônica, Califórnia) todos os dias após gravar, e sugeriu o nome. “Hybrid Theory” foi mantido como nome do álbum.

Linkin Park gravou este álbum sem seu baixista, Dave Farrell, quem teve compromissos anteriores naquela época. As partes do baixo foram, na maioria das músicas, gravadas pelo guitarrista Brad Delson, mas a banda também contratou dois baixistas para as sessões. Ian Hornbeck toca baixo em três músicas, mais notávelmente em “Papercut”, enquanto Scott Koziol toca baixo na qual se tornou o primeiro single americano da banda, “One Step Closer”.

Hybrid Theory é considerado o oitavo álbum mais popular de todos os tempos. Umas das revistas mais influentes de música, a Rolling Stone, entitulou o álbum de “doze canções de fogo compacto, misturando metal alternativo, hip hop e arte de picape, que não podem ser separados”. Hybrid Theory foi o álbum mais vendido de 2001 e lançou três singles que foram direto para as paradas incluindo “In the End”. Em 2002, a banda recebeu um Grammy de Melhor Performance Hard Rock por “Crawling”, além de indicações para Melhor Álbum de Rock e Melhor Revelação.

As músicas do álbum Hybrid Theory são:

  1. Papercut”  3:04
  2. “One Step Closer”  2:35
  3. “With You”  3:33
  4. “Points of Authority”  3:20
  5. Crawling”  3:29
  6. “Runaway”  3:03
  7. “By Myself”  3:10
  8. In the End”  3:36
  9. “A Place for My Head”  3:04
  10. “Forgotten”  3:14
  11. “Cure for the Itch”  2:37
  12. “Pushing me Away”  3:11

A nona música do álbum “In the End”, sendo considerada por 10 a cada 10 fãs a mais querida e mais tocada da banda, ficou por longos tempos no topo das paradas de diversos países e se tornou um hino dos fãs de Linkin Park. Ela foi por muito tempo a música de trabalho do grupo, sendo tocada em mais de 50 países.

Umas das maiores injustiças foi a música “A place for my head” não ter recebido um videoclip pela banda. É uma das músicas mais cantadas nos show do LP pelo mundo inteiro e está entre as top10 da banda pelos fãs.

De uma banda de garagem na California nos anos 90, Linkin Park tomou ouvidos pelo mundo por este álbum. Eu sou fã de Linkin Park, e para mim não há álbum melhor do que este no estilo, que não tem muitos outros de sucesso, quando se mistura hip hop, picape e rock pesado, Linkin Park é referência mundial.

Mesmo sendo praticamente unica neste estilo, a partir deste álbum diversas bandas foram influenciadas, bandas como Limp Bizkit, P.O.D, Papa Roach, Julien-K, Three Days Grace entre outros.

Como fã, espero que a banda continue fazendo o ótimo trabalho que sempre fez, que continue produzindo álbuns cada vez melhores e que Chester nunca pare de gritar.

Por último deixo a música que eu mais goto do álbum, 1.”Papercut”.

PS: Se você é fã e tem um site/blog. ajude na campanha #HybridTheory para o TT e avise o pessoal da Linkin Park Brasil pelo e-mail > contato@linkinparkbr.com e sigam eles também http://twitter.com/#!/linkinparkbr

BlogBlogs.Com.Br





Leis do meu Brasil-sil-sil…

22 10 2010

O comerciante Edílson Alves de Araújo, de 39 anos, acusado de matar a tiros a ex-mulher, Maria Carolina Reis Café, de 30 anos, na frente da filha de 9 anos, não se apresentou à Delegacia da Mulher até a publicação desta matéria.

O assassinato aconteceu na última segunda-feira, quando Maria Carolina chegava no prédio onde morava, no Canal 3, em Santos. O advogado do indiciado informou que ele se apresentaria nesta quarta-feira à Delegacia.

Caso o acusado se entregue, ele não poderá ser preso por causa da lei eleitoral, que não permite que a prisão de eleitores seja feita cinco dias antes das eleições e nem dois dias depois.

Fonte: Jornal Atribuna

Esta notícia que acabo de ceder para vocês aconteceu na minha cidade (Santos/SP), no dia 29 de Setembro de 2010.

O fato do acusado se entregar não aconteceu e hoje ele é foragido como principal suspeitos de matar a tiros sua ex-mulher na frente de sua filha de 9 anos.

Lei 4737 (Código eleitoral), parte quinta, título I.

Art. 236. Nenhuma autoridade poderá, desde 5 (cinco) dias antes e até 48 (quarenta e oito) horas depois do encerramento da eleição, prender ou deter qualquer eleitor, salvo em flagrante delito ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou, ainda, por desrespeito a salvo-conduto.

§ 1º Os membros das mesas receptoras e os fiscais de partido, durante o exercício de suas funções, não poderão ser detidos ou presos, salvo o caso de flagrante delito; da mesma garantia gozarão os candidatos desde 15 (quinze) dias antes da eleição.

§ 2º Ocorrendo qualquer prisão o preso será imediatamente conduzido à presença do juiz competente que, se verificar a ilegalidade da detenção, a relaxará e promoverá a responsabilidade do coator.

Em mãos deste artigo de 1965, MIL NOVECENTOS E SESSENTA E CINCO, um homem matou sua ex-mulher  e não pode ser preso, por não ter sido pego em flagrante.

Como sabemos que todos os assassinos são boa praça, a polícia aguardava por uma boa ação, que ele simplesmente se entregasse a polícia local, após as 48 horas de encerramento das eleições.

Agora como o fato esperado carinhosamente pela polícia de Santos/SP não aconteceu, estão espalhando retratos dele pela cidade e pedindo encarecidamente para que ele apareça (QUE MEIGO).

O problema nesta história está visível. O maior culpado nesta história trágica é uma constituição ultrapassada com leis que não se apropriam aos tempos atuais.

Este homem hoje, poderia estar preso, vendo o sol nascer quadrado. Mas, está solto pelas ruas podendo cometer qualquer outra atrocidade.

Se este artigo está em vigor até os dias atuais para prevenir que tenhamos um número suficiente de eleitores para o pleito (como se o Brasil inteiro fosse habitado por bandidos, assassinos e estupradores), porque então não houve uma ATUALIZAÇÃO da mesma?

O meliante sendo suspeito ou não, merecia ter sido investigado e não liberado por conta desta lei enfadonha.

Eu não vou falar de quem propôs e quem promulgou esta lei, pois já devem estar nos braços de hades, então que os novos ladrões políticos, mudem esta lei de alguma forma para que casos como este, não ocorram de novo.

“E eu espero que prendam este melian, este marginal, este VAGABUNDO  me da iBagens…”





A diferença entre ser querido e odiado

21 10 2010

Dois jogadores protagonizaram a tênue diferença entre ser odiado no seu ex-clube e ser eternamente amado pela torcida.

Os dois jogadores em questão são: Eduardo da Silva e Robinho.


Eduardo Alves da Silva, mais conhecido como Eduardo da Silva ou simplesmente Eduardo (Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 1983), é um jogador brasileiro naturalizado croata que atua como atacante. Atualmente, joga pelo Shakhtar Donetsk.

via: Wikpédia

Eduardo tinha uma carreira promissora no Arsenal. Ele chegou em Julho/2007 no time de Londres comprado por 7 milhões de Euros, onde demorou um pouco para se firmar no time titular e com a lesão de Van Persie na temporada ele tinha conseguido o que planejada – ser titular de um time de ponta da europa.

Ele estava indo bem, estava marcando gols regularmente e era dada como uma promessa por Arsene Wenger (Treinador do Arnsel).

Em fevereiro/2008 ele sofreu o pior episódio de sua vida sofrendo uma das lesões mais feias do futebol internacional, se recuperou ainda no Arsenall, mas não conseguiu mais realizar suas boas atuações com a camisa dos gunners.

Em 2010 foi vendido ao Shakhtar Donetsk.

Robson de Souza, mais conhecido como Robinho (São Vicente, 25 de janeiro de 1984), é um jogador brasileiro que joga como atacante, atualmente joga pelo Milan da Itália.

via: Wikpédia

Robinho foi revelado pelo Santos em 2002, onde conquistou 2 Brasileiros (2002-2004) e chegou a uma final de Libertadores da América (2003).

Em 2005  robinho foi vendido ao Real Madrid por uma quantia exorbitante para o futebol nacional até então, 30 milhões de dólares.

Depois disso, você sabem, Manchester City, Santos, Milan.

Agora, aonde está a ligação entre esses dois jogadores?

Pulem para o minuto 10:05, e verão que aos 26 minutos do segundo tempo, Ronaldinho é substituido por Robinho.

A torcida não esperou Ronaldinho sair de campo para estourar sua fúria contra Robinho. Ele sabia que seria assim, pois quando esteve no Real Madrid, por não conseguir embalar do jeito que gostaria forçou a barra para ser vendido o mais depressa possível assim como fez o mesmo quando ainda estava no Santos.

Agora o outro lado da história:

Sentiram a diferença entre ser querido e odiado por uma torcida, apenas pelos SEUS PRÓPRIOS atos?

Eduardo da Silva, não é querido apenas por ter sofrido uma lesão. Ele sempre foi fiel a sua equipe enquanto em Londres, sempre foi um profissional exemplar, mesmo machucado não perdia um único jogo sequer de seu time.

Nunca esteve envolvido em escândalos pessoais, nunca desrespeitou sua torcida, com declarações na imprensa de que não estava feliz.

Se ele não tivesse se machucado, ele provavelmente ficaria mais de 4 temporada pelo time de Londres.

Robinho nunca respeitou nenhuma camisa que vestiu, inclusive a do Santos.

Sou Santista e muito grato pelos títulos que ele teve influência, mas não posso deixar de lado o péssimo profissional que ele representa.

Nenhuma torcida no mundo admira ele a não ser a do Santos, que não deveria.

Um exemplo de atleta é reconhecido por sua torcida.





A perspectiva de um block

20 10 2010

O ímpeto que submergi de personagens escondidos entre perfis em redes sociais é de espantar.

Pessoas que se subjugam humoristas, não compreendendo falas de pessoas inexpressivas, usam de forma incoerente um botão que não tem valor algum na vida.

“Block”

Este é o nome do botão que é tão famigerado na rede social mais ativa no mundo 2.0 (o twitter). É usado de forma displicente por pessoas que simplesmente não sabem como receber comentários diversos e acabam cedendo a uma típica ação de ignorar a pessoa através de um único toque.

Desafiando as leis do bom senso e da prática de boa vizinhança, personagens em forma de códigos binários, usam em demasia práticas  infundadas de discutir um tema com uma pessoa qualquer. Amigo, pressionando este botão você simplesmente  tira seu próprio direito de resposta por um ato entendido como:

“cala a boca, isso é inveja”

Eu sinto um pesar que essas pessoas de tanta importância (leia-se sem importância) em nossas vidas internéticas, não nos ofereça uma maneira razoável de tratarmos problemas pessoais de formas civilizadas, não cometendo tais atrocidades a livre expressão da imprensa internética.

"Seu trollzinho de merda"

Se você tomou um ‘block’ de alguém e o considerou injusto apenas por expressar sua opinião contrária a do outro, este foi um ‘block’ desnecessário.

Agora amigo, não adianta também xingar a árvore genealógica do outro ser, somente por ter discordado em partes com quem te bloqueou.

Estou aqui defendendo o block sem causa, o block por diferenças e não o block por ofensa pessoal.

Este argumento infundado é o mais usado nos tempos modernos da internet, todos que não concordam com suas excelentes opiniões, são taxativamentes chamados de “troll” que é um assunto para outro post.

Com este post, espero que 20/25 leitores deste infortúnio blog, propaguem a mensagem que de o “block”, não altera perspectivas idéias sobre pensamentos de idiotas personagens internéticos que volta e meia soltam pérolas como estas que vos deixo como uma saudação final.

“UM BLOQUEADO NUNCA CAI EM SI E CORRE ATRÁS DE PERDÃO.”

CARLOS CARDOSO, INTELECTUAL. VIA CONTRADITORIUM.

“E OS TROLLS CHORANDO DE ÓDIO? NÃO TEM PREÇO.”

FELIPE NETO, PENSADOR, FILÓSOFO, ENSINO BÁSICO COMPLETO. VIA TWITTER.
E para salientar meu raciocínio, completo com a frase do blogueiro Raphael Mendes, vulgo midiático @bobagento

“A FALTA DE RESPEITO PELA OPINIÃO ALHEIA NESSE PAÍS BEIRA O NAZISMO.”

RAPHAEL MENDES, O POPULAR BOBAGENTO. VIA TWITTER.
Citados neste post:
Caio (Brogui): www.brogui.com
Os três últimos utilizaram seus dedos no botão pragmático supracitado neste post.
Fim.




Homer Simpson um ‘verdadeiro católico’?

19 10 2010

Não vou fazer uma introdução sobre o título do post, porque mais idiota que o título do post é quem acreditou nele ao clicar.

Vamos a alguns pequenos argumentos contra esta matéria do Globo

Para o Vaticano, Homer Simpson é um ‘verdadeiro católico’

RIO – Um dos personagens mais famosos – e politicamente incorretos – da televisão mundial, Homer Simpson foi declarado “um verdadeiro católico” pelo “L’Osservatore Romano”, o jornal oficial do Vaticano[…]

 

 

Vamos listar 10 motivos pelos quais ele não poderia de jeito nenhum ser um ‘verdadeiro católico’

Primeiro: Homer não entende nada de religião. Em um episódio ele achou que era Deus.

Segundo: Homer odeia seu vizinho, o Evangélico Ned Flanders. Ned é a antítese de Homer: bom pai de família, responsável, honesto, trabalhador e adepto da boa vizinhança.

Terceiro: Homer dorme durante as prédicas do Pastor Lovejoy.

Quarto: Homer é alcoólatra, preguiçoso, idiota, burro, alienado, estúpido, incompetente, manipulável e o exemplo mundial de tudo o que uma pessoa imbecil pode ser.

Quinto: Já foi várias vezes humilhado pelo racionalismo da filha. Em resposta ele declarou que nunca pedia desculpas, mesmo estando errado.

Sexto: Sempre acaba bancando o idiota frente ao filho encrenqueiro, o qual já levou várias surras de Homer.

Sétimo: Odeia suas cunhadas e a sogra nem se fala, justificando bem o que Mateus capítulo 10 disse.

Oitavo: Seu melhor amigo, Barney, é outro cachaceiro vagabundo e um perdedor nato.

Nono: É clássica a frase dele “Eu nunca fui um homem de rezar muito, mas, se você estiver aí em cima me ouvindo, por favor, me salve, Super-Homem!”

Décimo: Sua filosofia baseia-se em três frases: “Não diga que fui eu!”,”Oh, boa idéia chefe!” e “Já estava assim quando eu cheguei.”

Ainda acham ele um católico de verdade?

Fontes: O Globo.

Vi no: Ceticismo.net





A internê roubou meu sono

19 10 2010

Bons tempos quando eu tinha um horário para dormir, que se eu o extrapolasse sofreria com a ira de minha querida avó (fui criado por avós, algum problema?).

Antes de dormir sentia o corpo pesado sobre o dia letivo e só queria saber de encostar a cabeça no travesseiro e sonhar em um dia pisar na lua.

Só que de acordo o tempo foi passando e a tecnologia cada vez mais acessível, fomos dando espaço para que ela tomasse conta de nossas vidas. Hoje você pode ser assaltado, atropelado e traido pela mulher no mesmo dia que ainda sim lembrará de atualizar o status do Orkut para ‘Solteiro(a)’. Não que isso não seja uma informação mencionável em uma página pessoal (afinal o negócio é pegar gatas rsrsrsrs).

Imaginem quando lançar o Iphone 4…

Não posso falar que é uma obsessão essa coisa por eletrônicos, mas posso afirmar com certeza é que eles são úteis querendo ou não. O que eu quero dizer é, eles podem tirar seu sono, mas algum dia você o agradecerá por isso.

Lembrei que o saudoso George Carlin (rip), já fez um texto em um de seus excelentes espetáculos sobre essa coisa que comprar coisas e mais coisas.

É um tipo de loop eterno de tech toys, lançou um modelo novo do seu velho Playstation, é esperar abaixar um pouco o preço e troca-lo imediatamente e assim com computadores (desktop), notebooks, netbooks, iPhone, iPad, PSP e diversos outros eletrônicos que dominam o mundo.

Me diga quantas vezes você não ficou até mais tarde na internet por simplesmente não conseguir sair? Eu, várias e várias vezes. Quando eu trabalhava era uma briga para ir dormir cedo, pois parecia que as abas do firefox me hipnotizavam.

É difícil controlar essa vontade de ficar na internet, saber todas as notícias do mundo em alguns poucos cliques e isso é realmente fantástico.

 

“Mas, infelizmente o tempo das bolinhas de gude não voltam mais.”








%d bloggers like this: